segunda-feira, 27 de março de 2017

A Teologia da Missão Integral e a realidade do pecado

Um dos movimentos em acensão no cenário protestante atual é a Teologia da Missão Integral. Surgida no final da década de 1960, através do trabalho de crentes latino-americanos como Rene Padilla, Samuel Escobar e Pedro Arana, essa teologia ganhou impulso no Congresso de Lausanne, em 1979, e hoje se faz presente em diversos países, principalmente nos chamados “em desenvolvimento”, como o Brasil. A TMI tem sido incluída na grade curricular de cursos de bacharelado e pós-graduação em diversos seminários teológicos brasileiros, e vários livros sobre o tema são facilmente encontrados nas principais livrarias evangélicas.

A Teologia da Missão Integral, como o próprio nome indica, propõe que a proclamação do Evangelho alcance o ser humano inteiro (corpo, alma e espírito), e assim todas as demandas das pessoas alcançadas recebam tratamento adequado. Argumentam que Cristo veio não apenas salvar almas, mas também satisfazer as necessidades legítimas de quem O encontra. Sendo assim, a Igreja deveria, ao anunciar a salvação em Cristo Jesus, agir no combate às muitas formas de opressão sofridas pelos excluídos deste mundo, tais como: falta de acesso à moradia, saúde, escola, alimentação de qualidade, etc. Entendem que a ação deve incluir uma luta na esfera política, já que as decisões tomadas ali atingem a população para o bem ou para o mal, proporcionando ou negando oportunidades de uma vida digna para as massas.

Os críticos da TMI alegam que esse movimento não passa de uma tentativa de transformar o cristianismo numa espécie de socialismo. Alguns teólogos da Missão Integral, de fato, são ferrenhos marxistas e isso fica evidente em seu discurso, quando falam sobre “luta de classes”, defendem governos socialistas, etc (o que é terrível, pois o marxismo adota uma cosmovisão ateísta, incompatível com a fé cristã). Mas não se pode generalizar, como se o problema fosse comum a todos os adeptos dessa corrente teológica. Não é. Além disso, não se pode negar o caráter bíblico da maioria das proposições da Teologia da Missão Integral. A Palavra de Deus denuncia a exploração dos ricos e poderosos contra os mais pobres em muitos textos, inclusive nos Evangelhos. E cabe à Igreja, isto é, aos crentes, o dever de se compadecer dos necessitados e socorrê-los. Tarefa que, honestamente, temos negligenciado, para a nossa vergonha.

Portanto, os adeptos da TMI reivindicam o que é justo e agem para combater injustiças. Assumem a causa do pobre, empenham-se em cuidar do necessitado. Lutam a fim de proporcionar vida digna para quem não tem, denunciam a loucura da exploração predatória da natureza, falam em sustentabilidade. A Igreja precisa, sim, fazer todas essas coisas que os nossos irmãos da Teologia da Missão Integral têm feito. Se fecharmos os olhos para a dor de dezenas de milhões de brasileiros marginalizados, gente que não desfruta do mínimo indispensável a uma vida digna, cairemos em grave omissão e nossa mensagem soará vazia aos ouvidos de muitos. E, convém lembrar, entre os marginalizados desta nação há muitos crentes em Jesus Cristo, dos quais deveríamos cuidar com redobrada dedicação.

Existe, porém, uma verdade fundamental. O empenho da Igreja em socorrer os necessitados e denunciar a injustiça social precisa vir acompanhado da chamada ao arrependimento e fé em Cristo. Porque, sem um grande e genuíno avivamento espiritual, sem a conversão de milhões de brasileiros, não existe a mínima possibilidade de um futuro melhor para o Brasil. Nossas mazelas não se resumem em exclusão social, existem outros males gravíssimos aptos a impedir que nosso país experimente verdadeira justiça e paz. Há abundância de desonestidade, violência, promiscuidade, consumo e tráfico de drogas, fraudes, roubos e tantos outros pecados que refletem vícios de caráter. Nenhum desses horríveis problemas pode ser solucionado mediante obras sociais, por mais nobres que estas sejam. Acesso a educação, saúde, moradia e lazer de qualidade não bastam para produzir honestidade, respeito ao próximo, decência. O povo brasileiro tem que ser transformado de dentro para fora, pelo poder de Deus!

Além dessas questões que afetam a realidade presente, existe outra razão ainda mais importante para que a Igreja insista em exortar as multidões a se arrependerem e crerem em Jesus Cristo. Sem o novo nascimento, ninguém entrará no céu. Sem entregar-se ao Filho de Deus e n'Ele confiar, não há salvação. E, infelizmente, a maioria do povo brasileiro caminha a passos largos para o inferno. A situação caótica da nossa nação revela o real estado espiritual dos brasileiros. Então, de que vale proporcionar mais conforto material, melhores oportunidades e condições de vida às massas e negligenciar o futuro eterno delas? Acaso isso é amor, dar-lhes casa, comida, escola, trabalho, salário digno, e negar-lhes os tesouros celestiais? A Bíblia nos fala de um glorioso porvir na casa do Pai, mas também nos conta a respeito de um terrível lugar onde haverá pranto e ranger de dentes para sempre. Será que temos o direito de omitir essa parte da mensagem do Evangelho?

Por isso, irmãos da Teologia da Missão Integral, continuem realizando essa obra exemplar, de lutar para que os pobres e oprimidos recebam tratamento digno e desfrutem de uma vida melhor aqui na terra (por favor, façam isso sem aderirem ao marxismo e à agenda ateia e anticristã dos socialistas!). Permaneçam anunciando que as Boas-novas de Cristo incluem o cuidado e o suprir das necessidades do corpo, pois isso traz boa influência sobre o restante da Igreja cristã. Mas nunca deixem de pregar sobre conversão, regeneração, justificação, céu, inferno, morte e vida eterna. Lembrem-se, o Jesus que alimentou as multidões, curou enfermos e denunciou a hipocrisia dos ricos é o mesmo que disse “larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela” (Mt 7:13), “temei, antes, aquele que pode fazer perecer no inferno tanto a alma como o corpo” (Mt 10:28), “o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus” (Jo 3:18), e muitos outros alertas semelhantes. Esta é a missão bíblica, compadecer-se dos aflitos do presente, sem jamais negligenciar o porvir. Que o Senhor os abençoe!

3 comentários:

  1. Postagem que tratou de forma equilibrada o assunto. Gostei de conhecer seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo apoio, pr. Juber! Deus o abençoe grandemente!

    ResponderExcluir