segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Você sabe o que é marxismo cultural?

O termo parece complicadíssimo, mas trata-se de algo bastante presente na nossa realidade, um assunto que nós, crentes em Jesus Cristo, precisamos conhecer. Pois afeta a cada um de nós, nossas famílias, igreja e toda a sociedade em que vivemos. Podemos dizer, sem exagero nenhum, que o marxismo cultural é um dos mais terríveis instrumentos do diabo nesta geração. Você sabe o que isso significa?

A palavra “marxismo” basicamente significa o mesmo que “comunismo”, ou “socialismo”. Aqueles dentre nós com idade em torno de 40 anos ou mais certamente se lembram de ouvir falar em países comunistas, como a União Soviética, Romênia, Polônia, Alemanha Oriental, China, Cuba, etc. Neles as pessoas não desfrutavam de liberdade nenhuma, nem sequer podiam sair de lá sem autorização do governo. Religiões eram perseguidas, ou até proibidas. As pessoas dispunham apenas do básico para sobreviver, não havia possibilidade de ascensão social, por mais que alguém se empenhasse no trabalho ou nos estudos. Na política não existiam eleições nem oposição, o Partido Comunista governava sozinho, com mão forte.

O comunismo foi implantado primeiramente na Rússia, em 1917, e de lá alcançou diversos países, sempre com o uso da força (guerrilhas, invasões, derrubadas de governos). Há cerca de 30 anos atrás, os países comunistas foram à falência. Hoje existem eleições livres em quase todas aquelas nações, as pessoas podem ir e vir, abrir seus próprios negócios, manifestar suas opiniões, cultuar a Deus livremente. Parecia que o pesadelo comunista havia chegado ao fim. Mas, ao contrário do que muitos imaginam, o marxismo continua vivo e forte, com uma nova aparência cuidadosamente planejada para confundir.

No início do Século passado, alguns anos depois dos comunistas chegarem ao poder na Rússia, um político e filósofo italiano muito inteligente (e perigoso) chamado Antônio Gramsci concluiu que as táticas para implantação do comunismo estavam erradas. Em todos os lugares, o que se fazia era tentar convencer operários e camponeses (a parte pobre da população) a lutar contra os governantes e os grandes empresários (os ricos). Gramsci afirmava que isso não funcionaria, pois os cidadãos comuns não estavam prontos a abraçar uma luta violenta em prol de uma ideologia chamada marxismo. Segundo ele, primeiro era necessário mudar a cultura da população, e só depois dar o grande golpe, isto é, implantar a ditadura marxista.

Cultura é o nosso modo de viver, falar e se vestir, nossos gostos, crenças e valores. Nos países europeus ou de colonização europeia, por influência do cristianismo, a cultura valorizava a família e a religião. Isso era ensinado às crianças nas escolas, em casa e nos meios de comunicação. Gramsci entendia que os comunistas precisavam destruir esses valores e construir outros, radicalmente diferentes. A batalha deveria ser travada principalmente nas salas de aula, na música, cinema, teatro, livros, revistas, nas rádios, etc. Para o comunismo triunfar, era preciso lutar contra a fé em Deus e também contra a família tradicional (formada por marido, esposa e filhos). Ao mesmo tempo, dividir a sociedade entre “opressores” e “oprimidos”, incitando o segundo grupo a rebelar-se contra o primeiro (exemplo: filhos contra pais, mulheres contra homens, etc).

Por volta dos anos de 1960, os marxistas começaram a perceber que a proposta de Gramsci (e de seus sucessores da chamada “Escola de Frankfurt”) fazia sentido. Desde então, professores, músicos, escritores, atores, autores de novelas e outros profissionais socialistas passaram a divulgar valores contrários aos do cristianismo, usando linguagem simples para que todos pudessem entender e assimilar. Essa “nova cultura”, o marxismo cultural, inclui: desprezo pelo casamento e pela virgindade, desconstrução dos papeis do homem e da mulher na família, incentivo ao uso de drogas e álcool, promoção da libertinagem sexual, da rebeldia contra os pais e autoridades, do aborto, etc. Trata-se de uma autêntica lavagem cerebral, que faz das crianças, adolescentes e jovens suas vítimas preferenciais.

Hoje muitos pensam que o comunismo é coisa do passado, por causa da derrocada econômica dos países socialistas. Mas basta observarmos com atenção as letras das músicas de sucesso, o conteúdo das novelas, filmes e minisséries e os temas presentes nos livros adotados nas escolas para percebermos profundas mudanças na cultura brasileira. Até em igrejas, sobretudo as mais liberais, o discurso não é o mesmo que se ouvia num passado recente. Sem se dar conta, o povo deste país tem trocado, dia após dia, os valores cristãos pelos do marxismo cultural. A tolerância às práticas e estilos de vida que mais afrontam a Bíblia cresce rapidamente, e desta forma o Brasil, assim como várias outras nações do planeta, abre caminho para ser tomado de assalto pelos marxistas. Que nós tenhamos consciência dessa terrível ameaça e nos apeguemos aos valores eternos do Evangelho de Cristo, a única mensagem apta a salvar nosso país!