quinta-feira, 6 de julho de 2017

Corrupção: um pecado que assola o Brasil

Dentre as mazelas vigentes em nosso país, destaca-se o pecado da corrupção. Muitos pensam que esse grande mal tem lugar somente na política, como se os únicos corruptos do Brasil fossem aqueles envolvidos no meio político (governantes, parlamentares, assessores e empresários pagadores de propinas). Acreditam que a população nacional não é corrupta, como se existissem dois grupos inteiramente distintos de brasileiros, uma massa honesta e uma minoria ínfima de desonestos detentores do poder.

Se corrupção significa tomar atitudes ilegais para obter lucro fácil; se corrupto é quem ganha dinheiro através de furto, mentira, roubo, fraude ou outro crime, e não pelo trabalho honesto; então a população comum é culpada do pecado de corrupção, tanto quanto os políticos. A diferença está na quantidade de bens furtados, no tamanho do lucro obtido. Infelizmente, grande parte dos brasileiros vivem em desonestidade no dia a dia. Não temos condições de saber quantos se encaixam nesse triste perfil, mas certamente são milhões de pessoas.

Só para citar alguns exemplos, podemos mencionar os delinquentes que passam o dia inteiro ociosos nas ruas, em pequenos bandos, praticando furtos e roubos. Fabricantes e vendedores de produtos “piratas” (produzidos sem o pagamento de direitos autorais ao dono da marca). Proprietários de postos de gasolina que vendem combustível adulterado. Técnicos que instalam TV fechada clandestinamente (os chamados “gatos”). Maus policiais adeptos do suborno. Fraudadores da Previdência Social, que recebem auxílio-doença sem estarem doentes. Empresários sonegadores de impostos. Gente de diversas classes sociais com um ponto em comum, o fato de se beneficiarem da corrupção diariamente.

Sendo a corrupção uma prática vivida por considerável parte da população brasileira, existe uma notável autoindulgência na mentalidade dos que a praticam. “Roubo porque já nasci pobre e sem oportunidades”, “sonego porque os impostos são muito pesados”, “vendo produtos pirateados porque os originais são caros demais”, etc. A culpa sempre é do Governo ou do “sistema”, os milhões de desonestos anônimos consideram-se vítimas, como se alguém os obrigasse a agir mal e não existisse outro modo de vida possível além do estilo desonesto e ilegal que optaram por adotar.

A corrupção é um pecado extremamente nocivo que assola o Brasil, impedindo-o de crescer e livrar-se da desigualdade social. Precisa ser combatido não somente no topo, por meio de CPI's e operações da Polícia Federal, mas também na base, ou seja, junto às massas. Para isso, a Igreja de Cristo tem um dever a cumprir, o de denunciar as inúmeras formas de desonestidade tão comumente praticadas pelo povo brasileiro e chamar os desonestos ao arrependimento. Com toda clareza possível, no poder do Espírito Santo, até que muitos se arrependam e tomem nojo das práticas que até hoje consideram “normais”. Pois sem essa mudança de entendimento e de disposição da maioria não há como acabar com a corrupção nos altos escalões e, sempre que um corrupto perder lugar no Governo, logo surgirá outro igual ou pior. Que Deus tenha misericórdia desta nação!

Nenhum comentário:

Postar um comentário